Invisível (capitulo dois)

18 janeiro 2011

Nos conhecemos há um dia, pela internet, era a primeira vez que eu falaria com ele no msn. Bem hoje que eu tinha a festa, não sabia o que fazer. Tentei:
Laís diz:
hm, aceito
Fred diz:
ooi linda *-*
Laís diz:
hm, não sou linda, ham
Fred diz:
eu achei, não vai querer discutir isso não, né? hahahaha
Laís diz:
se você quiser, ficaremos aqui até amanhã
Fred diz:
sempre ganho, acho que você não vai querer
Laís diz:
não, eu ganho, mas eu tenho que sair, tenho uma festa. bom te conhecer. bjbj
Desliguei o computador antes que eu mudasse de ideia. Abri meu armário e procurei uma roupa para a festa.
Não era possível, eu não tinha roupa nenhuma. Todas as possíveis já haviam sido usadas em outras ocasiões.


- Alô - digo, ao atender o telefone.
- Que voz é essa, gatinha? - Felipe pergunta.
- Nada - respondo.
- La, te conheço, o que houve? - nunca consigo enganar ele.
- Não tenho roupa pra ir na festa - choramingo.
- Você é linda de qualquer jeito, independente da roupa - diz.
- Vem pra cá? - pergunto.
- To chegando - diz.
Era muito bom ter um melhor amigo que morava perto de você, em dez minutos ele estava batendo na minha porta:
- Laís?
- A porta está aberta, pode entrar - grito do meu quarto.
- Você ainda está de toalha, menina? - ele ri.
- Não estava brincando quando disse que não tinha roupa para ir - respondo, brava.
- E ai? O que vamos fazer? - pergunta.
- Tive uma ideia, sai daqui - digo, super delicada, rindo. Ele já se acostumou com o meu lado lady.
Pego o vestido de formatura que estava guardado há dois anos. Era um vestido longo, acabei de cortá-lo e transformá-lo em um curto, que, modéstia parte, até que ficou razoável. Passo a minha maquiagem básica, coloco meu all star, me olho no espelho, solto o cabelo e é, acho que deu.
- Laís, você está... - Lipe começa a falar assim que eu apareço na sala.
- Nem continua, foi o melhor que eu consegui fazer - digo.
- Perfeita - ele termina.
- Vamos? - digo, sem querer continuar aquela conversa sobre o meu look.
- Com você, vou para qualquer lugar - ele ri e estende o braço, para que eu vá com ele - vou ligar para o meu pai, ele vem pegar a gente aqui, já combinei tudo.
- Que princesa, próxima vez venho buscar de carruagem - brinca o pai do Felipe.
- Pai, assim você deixa ela com vergonha - Lipe diz e ri.
- Eu sei, essa é a intenção - nós três rimos.
Eles eram iguais, ambos adoravam me deixar com vergonha.
- Pronta? - Lipe pergunta, logo depois de abrir a porta do carro.
Faço que sim com a cabeça e vamos.
- Tenho uma coisa para te mostrar - ele diz, antes de entrarmos, tirando uma caixinha do bolso.

(continua)



por @olivia_dias

Um comentário:

Desejos de Menina: Invisível (capitulo dois) © 2009 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Volte sempre!