Os Segredos e Mistérios de Elisabeth ( 6º Capítulo )

11 janeiro 2011

- NÃO OUSE FALAR DESSE ASSUNTO NUNCA MAIS AUGUSTO




- NÃO ELISABETH, eu errei mais eu exijo saber o que aconteceu com o fruto do nosso amor!



O Augusto de sempre voltara, sujeitinho presunçoso que acha que pode tudo, mais não comigo, não dessa vez!



- você exige? Acha que está em posição de exigir algo? Você não passa de um garoto mimado e mediocre que acha que todos estão a sua disposição, caia na real Augusto eu não sou sua serviçal e muito menos lhe devo explicações!

Vi a reação assustuda de Augusto por ouvir minhas palavras secas mais como eu o conhecia não demoraria muito pra revidar.



- ele.. ela, está morta?





- NÃÃÃÃO!



- Era só isso que eu preciso saber por enquanto.



- SAIA DA MINHA CASA AGORA, EU LHE ODEIO, EU LHE OODEIO!



- Como quiser.



Meu Deus eu não posso acreditar que eu esteja vivendo isso de novo, eu não mereço... quer dizer eu sei que fui culpada mais eu já paguei por todos meus erros e esse me consome até hoje, não ter a presença constante de quem eu mais amo nessa vida, o que restou de mim se perdeu.


A minha vida passou em segundos por minha mente ou horas nem eu sei direito, estava imersa em meus pensamentos, era incrivel minha capacidade de esconder meus medos e até toda uma vida dentro de mim, mais só eu sei que aqueles olhos cor meio dorado as vezes esverdeado, sem um tom específicico mais simplismente estonteante, só eles eu não me esquecia nem por um segundo. Quando molhados pelas lagrimas parecia ainda mais bonito, era como comtemplar o por do sol, não seria tão insuportavel ve-los se eles não carregassem uma expressão triste e longíqua. Eu costumava dizer que era meus brilhantes ainda não descobertos, mais bonitos que o ouro, com mais valia que centenas de diamantes e com a pureza de um quartzo rosa. Quem me conhecia profundamente podia jurar que não havia diferença nenhuma entre os nossos olhos, nem nas expressões que faziamos, mais quando eu ia procurar a paz dentro dos meus não era nada que se comparava aos dela.



Vou sair, cansei de ser vitima de tudo e de todos, que Deus me proteja pois já tá na hora de eu ser mulher. Peguei o endereço do hotel que Augusto estava hospedado e tomei a decisão de procura-lo, eu precisava resolver isso de uma vez por todas.



Como sempre guto não poderia ficar em um hotel com menos de 5 estrelas, peço pra ser anunciada e parece que ele não titubeia a me esperar no seu aposento.



- Elisabeth sente-se e me diga o que lhe trouxe aqui?



- Não se faça de besta Augusto você já deve imaginar, enfim o que você quer comigo ou melhor com ela?



- Eu quero tudo de volta Lisa, eu sei que o seu amor será praticamente impossível, mais você não pode me impedir de ver minha menina, apesar de essa decisão não estar em suas mãos achei que você mais do que ninguém deveria saber desse meu interesse.





- Realmente me ter de volta é uma coisa impossivel de acontecer e quanto a Maria augusta saiba que ela é a MINHA MENINA e nada nem ninguém vai tirá-la de mim.



-. Então quer dizer que você está com ela? Seus olhos brilhavam em um misto de felicidade e esperança.



- Não mais, por culpa sua, mais ela sempre será minha guto sempre.



- eu sei.. eu sei, mais por vias legais ela já não é faz um bom tempo certo? Talvez se..



- Faale! Faço tudo pra ter minha pequena de volta.



- Bom então temos que reatar e lutar juntos como pai amorosos que somos pela gutinha.



- O QUE? Você deve estar ficando loouco Augusto, não me venha com suas artimanhas pra me ter de volta porque não existe mais nada entre nós, nada ouviu bem?



- Eu sei Elisabeth, mais chega de agirmos como crianças sabemos que nossas chances de reave-la são escassas, mais se perante a lei passarmos por um casal que se ama e quer a filha de volta pra construir um lar tenho certeza que tudo vai dar certo.



- Explique!



- Bom vamos ter que morar juntos, nos beijar na frente daqueles que acreditam na nossa união e parecer as pessoas mais felizes pra uma assistente social que irá verificar. Por favor Lisa por ela, não pensa mais em nós e sim no fruto do nosso amor, da única coisa boa que nos resto.



Eu estava relutante a aceitar a proposta de Augusto, mas o que eu poderia fazer? Eu fui uma criança que concebeu outra criança no auge dos meus 16 anos, não mas isso não era o pior, a minha menina era diferente... o meu bebe tem altismo e tudo que para uma criança normal fazer fosse simples para ela era um esforço, mas ninguém tinha o brilho que a minha menina tinha, ninguém.

Eu sendo menor de idade, minha mãe doente, o estado tirou ela de mim e levou toda a minha vida com ele.



- Olha Augusto desde que me tiraram a maria eu não sou mais a mesma, só mamãe me apoiou porque você foi um COVARDE quando soube das dificuldades que enfrentariamos, eu tenho nojo de você. Mas tudo bem por ela só por ela eu aceito sua proposta.



Os dias passaram e quando eu vi, eu estava morando com o Augusto pela primeira vez na vida e apesar de lembrar todos os dias o que ele tinha me feito, eu tinha que admitir que o amor sobrenatural que eu tinha por ele ainda estava ali e bom ele tinha mudado tanto que isso só aumentava, infelismente ou não. Faltava poucos dias para a assistente social ir nos visitar e eu estava euforica com a possibilidade de ver aqueles olhinhos me encarando novamente.

E então veio a noticia que eu tanto esperava, MINHA MENINA IA VOLTAR PROS MEUS BRAÇOS, só faltava as burocracias de sempre é claro. Quando soubemos disso eu e guto nós abraçamos tão forte e choramos feito dois bebes, acho que foi o momento mais lindo que eu tive depois de tanto tempo. Bom.. não que eu queira admitir mais eu e meu suposto marido estavamos convivendo muito bem, eu não sei porque mais a alegria de ter de volta a maria augusta foi curando as feridas, e sabe Augusto tem se mostrado um novo homem.


Continua..

Por @buuhteodoro

Um comentário:

  1. Vai ter mais né ? õ/õ/
    eu não perco um capitulo, espero q eles fiquem juntos, apesar de tudo ;]

    ResponderExcluir

Desejos de Menina: Os Segredos e Mistérios de Elisabeth ( 6º Capítulo ) © 2009 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Volte sempre!