Invisível (capítulo quinze)

06 abril 2011

Primeiro, quero pedir desculpas pela demora. Fiquei um tempo sem internet, depois tive semana de provas, tive alguns problemas pessoais, mas agora eu voltei. Desculpa mesmo.
Vou postar um trecho do último capítulo e depois a continuação.


'- Oi - falei entrando.
- Ah, eu queria... - ele tentou começar, mas eu não deixei.
- Me desculpa, eu fui uma idiota, eu não te escutei, eu sei que você deve ter seus motivos, mas eu não quero ouvi-los. Quero que você saiba que eu te amo, que eu penso em você todos os dias, que eu te imagino comigo, que eu, ah, que eu te quero pra mim. Não sei o que você tem ou sente pela Patrícia, mas isso não vai mudar o que eu sinto por você - pronto, falei.
- Eu só ia falar que te amo - ele abriu um sorriso que me proporcionou borboletas no estômago - vem aqui, vem.
Eu fui, e ele me beijou. Um beijo indescritível, como nunca ninguém havia me beijado. Ficamos lá, horas e horas, rindo, nos beijando e conversando.

- Guilherme, amanhã você volta para casa - disse o enfermeiro.
- Ainda bem, não estava aguentando mais esconder uma coisa de você, Laís.'
 
- Que coisa? - perguntei, assustada.
- Quando a gente chegar, você vai descobrir.

Ele me pediu para dormir aquela noite com ele no hospital, mas eu não podia. Precisava terminar uns trabalhos da escola e um desenho que tinha que estar pronto em dois dias.

- Mãe, cheguei - falei.
- Está melhor, não? - não me lembrava de ter contado o que tinha acontecido para ela, mas ultimamente não me lembrava de tanta coisa, que deixei passar.
- Estou sim.
- Vai me contar o que aconteceu? - não, eu não havia contado, mas mãe sabe de tudo. Sentamos no sofá, deitei no colo dela e contei. Tudo.

- Bom diiiiia, flor do dia - era a Pâmella no telefone.
- Bom dia - falei, ainda com voz de sono.
- Ops, você estava dormindo?
- Estava, só acordo daqui uma hora para ir à escola - sim, ainda eram cinco horas da manhã e aquela menina já estava naquela animação.
- Ah é, me esqueci, é que eu preciso te contar uma coisa... Estou oficialmente namorando, com aliança e tudo. Beijos, até a escola - e desligou.
Não raciocinei direito e voltei a dormir.

Acordei e minha mãe já havia saído de casa, estranho. Tomei café da manhã e fui para a escola. Quando eu cheguei, a escola estava vazia, estranho [2]. Abri a porta da sala e quase caí para trás quando gritaram:
- SURPREEEEEEEEESAAAA!!!!!
Hoje era meu aniversário, mas eu estava com a cabeça em tantas outras coisas, que nem reparei. Agradeci todos, inclusive minha mãe, que apareceu por lá. Estava tudo indo bem, até a professora falar:
- Tudo bem, gente, mas agora nós temos que voltar com a aula.
E todos:
- AAAAH - mas entendemos.

Na hora do recreio, comemos o bolo e os salgadinhos da 'festa', eu a e Pâmella, duas gordas, comendo bolo no pátio, conversando, até ela paralisar e falar:
- Amiga, você não vai a-cre-di-tar.

(continua)

5 comentários:

  1. Amo INVIASÍVEL !!! estou louca para os proximos capitulos rsrsrsr'

    ResponderExcluir
  2. Amo INVIASÍVEL !!! estou louca para os proximos capitulos rsrsrsr' [2]
    posta maiis amoor,

    ResponderExcluir
  3. olho todoss os dias e nuuuuuuuuuuuuuunca terminam Invisivel, estou louca para os proximos capitulos hahaha 3

    ResponderExcluir
  4. POR FAVOR GENTEE, CONTINUEM ESCREVENDO INVISIVEL! fiquei super triste que não terminaram de escrever.. poxa eu cuido todos os dias e aliás,ADORO todos os textos, TUDO é muito jóia e sem contar que me identifico super com eles! beijos

    ResponderExcluir

Desejos de Menina: Invisível (capítulo quinze) © 2009 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Volte sempre!