E não há tempo que volte...

05 março 2013



http://1.bp.blogspot.com/-t8BsIRplA10/UCATkkxtUtI/AAAAAAAACQ4/yBd9xY0GLSQ/s1600/cafajeste.png
Nós sabemos que vamos cair e sabemos exatamente o momento que isso vai acontecer. Sabemos que estamos nos enganando e que vamos sofrer sim. Não conseguimos ser indiferentes com quem amamos, nem dizer que tudo está numa boa quando na realidade, não está. E ainda assim, no final nos crucificamos e falamos “cara, eu me avisei…”

É normal, há tombos que eu adoraria tomar de novo. Têm sustos que sempre vão me assustar e têm coisas que são incuráveis. Perdas, perdas e perdas. Ninguém vive em um eterno monólogo e ninguém decora textos pra nunca entregar a ninguém. Nós pensamos no que falar, juntamos fotos, rabiscos, falas, momentos, memórias e quando vamos entregar, a vida nos tira. Não te pergunta se você está preparado, disposto ou até se você quer perder a pessoa. Ela te tira e só aí você dá o devido valor. Aí sim você se crucifica pro resto da vida, por não ter entregado todas as frases que você decorou, a tempo.

A chuva vem e não pergunta se você se lembrou de trazer a sua sombrinha. O tempo muda e não pergunta se você trabalha de terno ou de camiseta. Você precisa se adaptar com as leis da vida e vai ser sempre assim. Muitas vezes você precisa se molhar para aprender que chuva não machuca, se estiver aberto a curtir o momento. E muitas vezes o sol não te fará mal, só te fará agradecer por cada gole de água que beber.

Eu aprendi a não deixar para depois. Nunca deixar para depois o que é para ser dito hoje, nunca deixar para amanhã o que me machucou hoje e nunca esperar alguém levantar o dedo pra falar. Nunca desisti da tal “felicidade eterna” e por isso eu tento fazer de todos os momentos os mais serenos possíveis. Preze as pessoas do seu lado e saiba que ninguém é igual a ninguém e pior do que isso, ninguém é substituível. Você nunca vai viver momentos com a mesma intensidade, da mesma forma ou suprir a memória da mesma maneira. Pessoas são diferentes, lugares são diferentes, momentos são diferentes e isso nunca vai mudar.

A saudade não fala a mesma língua do orgulho, eu sei. Na maioria das vezes eles nunca se entendem e cada um grita aos poucos dentro de você e você não sabe a quem ouvir. Razão, emoção, coração, saudade. Você não precisa ouvir nada, você precisa falar. Deixe que as pessoas ouçam o melhor que tem dentro de você e quem não der valor, pêsames. Muita gente precisa aprender que o mundo gira e que não precisa de ninguém para girar. Um dia vai chover, outro vai fazer sol e ninguém vai perguntar o que você prefere. Aprenda a fazer de qualquer momento, um momento inesquecível.

Um simples copo d’água só terá valor no dia que você deixar cair no chão e lembrar que era o último gole da garrafa.




Um comentário:

Desejos de Menina: E não há tempo que volte... © 2009 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Volte sempre!